Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

B.Live.

Aqui escreve-se. Não interessa quando, como, onde ou sobre o quê/quem...escreve-se por vontade, escreve-se por se achar que escrever é a maior arma antistress desta vida. Escreve-se por se acreditar, sempre e em tudo.

B.Live.

Aqui escreve-se. Não interessa quando, como, onde ou sobre o quê/quem...escreve-se por vontade, escreve-se por se achar que escrever é a maior arma antistress desta vida. Escreve-se por se acreditar, sempre e em tudo.

Tive tantos pais e agora só tenho um. Tive o pai do céu, tive o paí de sangue, o paiavô e o pai(drasto). Não gosto da palavra pai porque me faz pensar em coisas más. Pai? Pai do céu? Se houvesse pai do céu a vida não era tão injusta, não havia fome no mundo nem limitações que nos impedissem de realizar sonhos. Se houvesse pai do céu não havia pai nem mãe de sangue que abandonasse um filho. Mas é por haver um paiavô, que me amou em dobro, que me mimou em dobro, que me educou em dobro, que me abraçou em dobro, que me fez rir em dobro...que há um pai(drasto). O pai que ele me deixou sabendo que se ia embora primeiro que todos os outros. Não foi embora por vontade...mas foi. E deixou-me alguém que desde cedo tomou conta de mim como se eu fosse dele (embora que do seu jeito peculiar).

Mas, não há amor como o do coração, o daquele que preparou tudo para nunca me deixar sem chão. Deu-me a minha mãe, deu-me o meu pai, deu-me a minha garra...deu-me tudo o que era seu! Para eu nunca ficar sem chão.