Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

B.Live.

Aqui escreve-se. Não interessa quando, como, onde ou sobre o quê/quem...escreve-se por vontade, escreve-se por se achar que escrever é a maior arma antistress desta vida. Escreve-se por se acreditar, sempre e em tudo.

B.Live.

Aqui escreve-se. Não interessa quando, como, onde ou sobre o quê/quem...escreve-se por vontade, escreve-se por se achar que escrever é a maior arma antistress desta vida. Escreve-se por se acreditar, sempre e em tudo.

Estar nos vintes, ser estudante universitária, ter aqueles que me ajudam financeiramente inseridos naquela que é (actualmente) a classe média baixa é contar os trocos ao fim dos dias, ao fim da semana e do mês. Contam-se os trocos, procura-se a marca dos alimentos mais baratos, resmunga-se com o ponteiro da gasolina sempre que baixa, com o "condutor" sempre que acelera, com o dinheiro que foge por entre os dedos como que se de areia se tratasse, com uma negativa que se esperava e se lutou para que fosse positiva. Vive-se longe da cidade e os "passeios", esses, são para as aulas ou para as questões práticas do dia-a-dia.

Sou uma privilegiada por poder lutar por um futuro, por estar a crescer e saber o que é, desde cedo, sentir dificuldades das mais variadas. Lutei muito para chegar aqui. Consegui. Vou conseguindo. Estou-me grata a mim e aos meus. Volto a dizer: sou uma privilegiada por poder lutar por um futuro melhor - quando desde que nasci eu nem estava predestinada a ter um futuro, pelo contrário.Mas, a minha cabeça não pára de pensar: "que futuro terei eu?", "que futuro terá esta geração?", "Valerá a pena tanto esforço?". O amanhã é aflitivo. O desemprego é astronómico neste país, o medo é maior do que eu e bloqueia-me as entranhas. Eu, gostava de ser mais e melhor naquilo que faço.

Às vezes sobrevive-se e não se vive.

Espero no futuro não viver enclausurada mas livre e realizada. Espero vir a ser melhor naquilo que faço.

Quero tornar-me mais serena e menos aflita. Quero que os vintes me ensinem a viver melhor.

Porque há gente em melhores condições que eu mas, também em muito piores. Tenho de ser grata e aprender a crescer (a cada dia).